Monday, August 25, 2008

A Fonte da Juventude


No silêncio da estrada escura encontrei lembranças.

O céu estrelado como sempre foi.

O ar úmido com cheiro de mato.

Era lá que eu sempre encontrava minha juventude.

Meu descanso.

A cidade nem era mais a mesma.

As pessoas nem todas eram as mesmas.

Mas o sentimento permanecia.

Aquela casa. Tanta coisa aconteceu e até ela mudou.

A pracinha continua lá. As árvores cresceram. Mas se se fica em silêncio ainda dá para ouvir os gritinhos infantis do jogo de queimada e do pique-esconde.

Os castelos que povoavam nossa imaginação com histórias de bruxas e princesas ainda estão lá também.

Tudo ainda é tão vivo que nem parece que o tempo se passou.

Uma parte minha ainda está lá. Naquele tempo.

As fotos pela casa não são do passado. São fotos de quem eu sou hoje e nunca vou deixar de ser.

O balé, a aula de canto, de desenho, de italiano, de dança...

... prazeres e alegria da minha vida.

Como os ipês e montanhas ao longo do caminho.

3 comments:

Patricia Serenini said...

Êba!
Semana que vem soy yo.
Montanhas, ipês, pessoas, lembranças...

Eu também GOSTO.

Fernanda MBem said...

Que lindo, Paul, como sempre.

Que bom que existem lugares assim para todo mundo e especialmente para você. Muito você mesmo isso.
Fonte da juventude... tudo de bom.

Amei, AMO!
=]

Gustavo said...

Ih, esses posts vão acabar virando contos, cedo ou tarde...